Postado por Carolina Filisberto em Músicas, Resenha, UF News

O figurino preto e repleto de brilhos que reluziam a metros de distância da atriz e cantora Alessandra Maestini, assim como sua voz inigualável, prendeu a atenção do público paulistano no dia 31 de agosto, no Teatro Porto Seguro. A apresentação Drama n Jazz, que comemora os 20 anos de carreira da artista, trouxe uma sequencia performances em um memorável espetáculo de quase duas horas. É claro que a UF foi acompanhar de perto!

Mais conhecida por sua trajetória na televisão, Maestrini estrelou uma verdadeira obra de arte que aconteceu, também, graças a sua equipe: o Maestro João Carlos Coutinho, que conduziu a apresentação ao som do piano, e o renomado quarteto de músicos, composto por João Castilho, Xande Figueiredo e Jorde Helder, além, é claro, de Coutinho, já citado.

Outro ponto que merece destaque é o cenário: cores claras, móveis espalhados pelo palco e, ao alto, dezenas de abajures que acendiam e apagavam ao longo do show, bem como o telão que acompanhava as músicas.
Além das composições de autoria própria, fizeram parte da setlist um dueto da cantora com Ana Carolina, e “Eu te amo”, de Chico Buarque de Holanda com Antônio Carlos Jobim, interpretada em inglês – versão esta aprovada por Chico e pela família Jobim.

Aos amantes de ópera, o ponto alto da noite contou com “Mon Coeur S’Ouvré A Ta Voix” de Sansão e Dalila, cantada em arranjo de bossa. A sugestão foi de Nelson Motta, que assina a curadoria de repertório da atriz. O rock não ficou de fora – “Trust Me”, música de Janis Joplim, que fez parte da vida da atriz durante a novela “Tempos Modernos”, quando viveu a personagem Ditta, uma cantora famosa e internacionalmente conhecida, apareceu, para a alegria do público. O momento, que foi quase “a capella”, contou com os estalos e palmas do público como melodia.

A atriz, que já se pronunciou a favor e membro da comunidade LGBT, deixou uma mensagem de amor ao público que reforçava, basicamente, o que todos já deveriam saber: ame sem limites. E dedicou, ao final do espetáculo, em um momento descontraído e íntimo – já sem sapatos que, de acordo com ela, eram altos demais – uma canção de Djavan aos casais que estavam ali presentes.

Para mais informações sobre os próximos eventos de Alessandra Maestrini, acesse: alessandramaestrini.com.br.

Colaboração: Gabriela Bertolo