Postado por Carolina Filisberto em Livros, Resenha

Acompanhamos a história de Lara Jean, Peter e família Song, durante dois livros e está na hora de se despedir deles. Em para todos os garotos que já amei, conhecemos Lara Jean e a paixão de escrever cartas, além de ver o relacionamento de mentira dela com um dos garotos mais populares do colégio. Em P.S.: Ainda amo você, vimos Lara Jean aprender que o relacionamento de verdade tem seus altos e baixos. E agora, iremos ver Lara Jean dando um passo muito importante de sua vida… A escolha da faculdade!

O relacionamento da garota com o Peter está indo mais que bem, obrigada! Os dois estão apaixonados, felizes e aproveitando os últimos dias do ensino médio. A vida de Lara Jean estava planejada: iria para a faculdade perto de casa, a mesma faculdade que Peter, até que ocorre uma mudança em sua vida e Lara Jean se vê perdida entre quais decisões deve tomar.

O que me encanta na história de Jenny Han é a forma como ela narra o livro. Tão simples, leve e adorável que me faz lembrar que os livros não precisam ser explosivos, cheio de reviravoltas e cenas extraordinárias, os livros servem para passar uma mensagem, independente de qual seja. E Jenny Han conseguiu transmitir, nesses três livros, o desenvolvimento dos personagens e as dificuldades de um relacionamento entre adolescentes, mas acreditando que sim, o amor pode acontecer quando ainda é jovem.

“Você pulou em cima de mim no corredor da escola. Achei bem fofo.”

Outro tema abordado nesse livro foi a questão da escolha e as incertezas do futuro. Quando estamos no colégio, tudo é previsível, mas no momento que ele chega ao fim, você começa a trilhar o seu próprio caminho, com as inseguranças e imprevisibilidade. A escolha do caminho trilhar quando sai do colégio é algo que todos os adolescentes passam e a forma que a Jenny Han foi tão leve, que eu queria ter tido essa leveza quando estava decidindo a minha faculdade.
Eu havia reclamado da Lara Jean e do Peter no livro anterior, das atitudes de ambos e a falta de comunicação entre eles, que eu nem estava mais torcendo para que os dois ficassem juntos (Sim, no livro anterior eu tinha gostado do John!), mas esse livro me surpreendeu. Jenny Han conseguiu desenvolver o relacionamento deles em um nível muito maior! Os dois estavam apaixonados de verdade, dava para ver durante a leitura o carinho que um sentia pelo outro e o amor jovem e tão belo. Os problemas do relacionamento do livro anterior foram acertados e fez com que eles se tornassem um dos casais mais fofos da literatura jovem (sério!). Os diálogos fáceis, as brincadeiras entre eles, o companheirismo, tudo isso tornou a leitura mais leve e mais gostosa de se ler. – Sim, a dinâmica dos dois está muito melhor em comparação os dois livros!

“Não, eu vou aprender. Só me dá um segundo. Se Lara Jean gosta dos meus beijos, vai gostar também das minhas tranças.”

Margot, o pai de Lara Jean, a sra. Rothschild, Cris e, principalmente, Kitty, foram personagens que favoreceram a história. O envolvimento da Lara Jean e do Peter com eles fez com que o livro fosse mais realista, sabe? O amor de família, a amizade, as descobertas… Tudo isso foi abordado de uma adorável forma que o sorriso bobo nunca saía do rosto. Senti falta do Josh, eles não apareceu em nenhum momento do livro e um personagem que foi tão importante no começo da história, merecia pelo menos um final digno para ele!

“Enquanto subo a escada, ouço papai sussurrar para ela:
– Por que você a está encorajando a ir aproveitar o namorado gato dela? – Eu quase dou uma gargalhada alta.
– Não foi isso que eu quis dizer! – retruca Trina. Ele faz um som de reprovação.
– Foi o que pareceu!
– Ai, meu Deus, não precisa ser tão literal, Dan. Além do mais, o namorado dela é gato.”

Com a melhor fase do casal, iremos ver dramas familiares de Peter e as inseguranças do personagem, o que o tornasse mais real e um garoto. Nos livros anteriores, via o Peter como o “carinha que vai ficar com a Lara Jean”, mas nesse livro iremos ver o garoto como ele realmente é e ganhando um espaço no meu coração de mãe, que sempre cabe mais um! Mesmo os dramas familiares são abordados de uma forma mais leve e nada explosivo.

Como disse anteriormente, o que deixa a história encantadora é a simplicidade da história de amor entre o Peter e a Lara Jean, assim como a vida deles. Não precisa de grandes dramas e um plot twist louco para provar que o amor deles é verdadeiro, são as pequenas atitudes no relacionamento deles que transforma em amor.